Reflexões sobre a voz: possibilidades e poéticas

Desenho sobre a voz e suas reverberações, em lápis 2B

Este artigo trata sobre a voz, suas possibilidades e poéticas próprias. Faremos uma reflexão ao que se é possível fazer com a voz, até onde é possível tocar, mexer, reverberar no outro aquilo que é sentimento, que é corpo, que é físico, mesmo que não seja visível.

O efeito da voz é bem visível e palpável. Quando falamos ou cantamos, podemos reverberar no outro sentimentos e sensações únicas! A voz pode ser utilizada como recurso poético e pode até mesmo fazer com que as pessoas que o escutam derramem lágrias olhos afora!

Recordo aqui de quando ouvi uma voz nova, tão específica e cheia de personalidade e sentimentos, um alguém-além-quem eu acho que ainda não tinha ouvido. Pelo menos não com tanta intensidade.

É uma voz que vocifera, que grita, que berra. Que abre buraco e que preenche com sentimento.

É engraçado como um simples áudio pode mexer tanto com nosso corpo, físico e emocional. A nossa capacidade de assimilar sons e interpretá-los é infinita, aberta a muitas possibilidades, por vezes até inconscientes.

Escrevi, então, um trecho inspirado nesta tarde de reflexão e “audição”:

“Que seja alento cantado, cantante, reproduzido
Um amor indescritível, mas sentido histericamente num corpo desta forma ainda intocado.

Que mexe e remexe sentimento, toca dentro.

Que toque, que morda, com carinho;
que arranque apenas a tristeza e o sentir-se sozinho.

É possível ouvir minha voz?

Catto você pra mim, pra cuidar.

Uma tarde inteira a ouvir.
E a tentar decifrar uma voz que já não é só sua,
Mas agora também parte de mim,
Que insiste em tentar acompanhar a melodia
E o sutil dom de
Cantar.”

A voz que tinha acabado de ouvir tratava-se da belíssima voz de Filipe Catto que sempre interpreta suas canções de forma muito particular e inspiradora.

Assista aqui a interpretação da canção “Saga”, composta e executada por Filipe Catto e banda:

E você, tem algo para completar sobre as possibilidades da voz?
Até onde acha que a voz pode reverberar no outro?
Você já tinha ouvido Filipe Catto? O que acha desta interpretação?

Deixe seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *