Linha do tempo, o cotidiano feminino por Itamara Ribeiro

“Agonia” – Coleção Linha do Tempo, por Itamara Ribeiro.

Itamara Ribeiro pesquisa as dobraduras do desenho por meio da colagem e do bordado.

Em “Linha do Tempo” a artista apresenta desenhos que mesclam o cotidiano feminino, revistas antigas e bordado contemporâneo.

Lembranças do passado

O trabalho de Itamara registra a figura feminina em tarefas cotidianas, como os atos de despir-se, abaixar-se, sentar-se, ou, simplesmente, de existir. Com traços rápidos, ela firma a fugacidade de ações que costumam passar despercebidas.

O trabalho é inspirado em lembranças afetivas da infância da própria artista, quando via sua mãe seguir moldes de revistas e transformar linhas, agulhas, botões e tecidos em artefatos. Itamara tece, dessa maneira, uma analogia entre o tempo percorrido na vida e os materiais utilizados para compor seus trabalhos.

Diálogos com outros artistas

“Linha do Tempo” possui influências de trabalhos dos artistas Edith Derdyk e Leonilson, que também são constituídos por bordados e costuras, “os mesmos elementos que norteiam os meus trabalhos”.

Segundo Itamara, o trabalho de Derdyk consiste na percepção de sua costura como ato performático: o faz como confirmação de alguns sentimentos. Em atos de “fazer por fazer”, exprime a sensação de inutilidade.

Já Leonilson tem suas obras, assim como as de Itamara, marcadas por um caráter poético e intimista que cruzam tradições, memórias e histórias da infância.

Os elementos da criação

A coleção reúne basicamente 3 elementos presentes no processo de criação, que se repetem em todas as telas:

  1. o desenho de uma mulher,
  2. o suporte feito de folhas de revistas antigas e
  3. o bordado que suscita um fio condutor.

A intenção é resgatar a memória afetiva feminina e transformá-la em revelações artísticas, mostrando uma forma de olhar para si por meio de resíduos do passado.

Revisitando o passado da artista, é possível encontrar revistas e moldes antigos que ditavam o comportamento feminino da década de 80. Guiada por uma inquietação e uma lei interna ela desobedece às regras impressas em busca da compreensão de um feminino despido de padrões.

Confira mais alguns exemplares dessa belíssima coleção:

Acompanhe a produção de Itamara pelo seu instagram: @itamarasribeiro

Projeto surrealista “Pequeninos”

Clique aqui e se apaixone pelas imagens incríveis de Tolentino Ferraz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *